Home

Rim produzido em laboratório

E-mail Imprimir PDF
Um time de pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, nos EUA, conseguiu "cultivar" um rim em laboratório e transplantá-lo para um rato, onde ele começou a produzir urina.
A técnica, apresentada na revista científica "Nature Medicine", não produz rins tão eficientes como os naturais --quando foi testado, o rim artificial produziu 23% da urina de um natural, e depois de transplantado em um rato, a sua eficiência caiu 5%. Mas, segundo especialistas em medicina regenerativa, a técnica representa uma enorme promessa.
Segundo Harald Ott, do Centro de medicina Regenerativa do Hospital Geral de Massachusetts e líder da pesquisa, se o que deu certo nos ratos puder ser adaptado para a escala humana, então pacientes que esperam por um rim doado poderiam teoricamente receber um novo órgão derivado de suas próprias células. Isso diminuiria bastante o risco de rejeição e aumentaria o número de rins disponíveis.
Na técnica desenvolvida, os pesquisadores americanos usaram um rim de rato e aplicaram uma espécie de detergente para retirar as células velhas.
A teia de células restante, formada por proteínas, possui a forma do rim, e inclui uma intrincada rede de vasos sanguíneos e tubos de drenagem.
Essa rede de tubos foi utilizada para bombear as células adequadas dentro do rim, onde se juntaram com a "armação" para reconstruir o órgão, que foi mantido em um forno especial por 12 dias para imitar as condições no corpo de um rato e depois transplantado.
Segundo Ott, a baixa eficiência do rim artificial não é um problema, já que a restauração de uma pequena fração da função normal já pode ser suficiente: "Se você estiver em hemodiálise, uma função renal de 10% a 15% já seria suficiente para livrar o paciente desse tratamento. Ou seja, não temos que ir até o fim (garantir os 100% da função renal)."
Ele disse que o potencial é enorme: "Se você pensar sobre os Estados Unidos, há 100 mil pacientes aguardando por transplantes de rim e há apenas cerca de 18 mil transplantes realizados por ano."
 

Publicidade

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 290 visitantes online