Hipertensão arterial

Ter, 17 de Fevereiro de 2009 16:26
Imprimir
Cerca de 10% a 15% da população brasileira tem pressão alta
Distúrbio assintomático (raramente as pessoas se queixam de “cabeça vazia” ou tonteira), a importância da hipertensão arterial é subestimada pela maioria da população, embora um contingente que varia de 10% a 15% de brasileiros sofra do mal.

Segundo o cardiologista Ricardo Germano, é muito difícil fazer com o brasileiro invista na sua própria saúde. “Especialmente se ele não sente nada. É cultural mesmo. O ideal é encarar o risco e pensar: ´Tenho realmente a pressão que eu deveria ter?´”, comenta. 

Dentro das diretrizes brasileiras de saúde, a pressão arterial considerada normal é de 120 por 80 milímetros de mercúrio, embora cada um reaja de forma diferente. 

O especialista sugere que, depois dos 30 anos, as pessoas façam consultas periódicas e verifiquem a pressão arterial freqüentemente. “Há, inclusive, uma polêmica se as farmácias poderão medir a pressão de seus clientes. É preciso ficar atento aos aparelhos, porque muitos sofrem desgaste, perdendo a calibragem, e a pressão acaba sendo medida incorretamente.” 

Uma das maiores preocupações dos especialistas, além do sedentarismo e do fumo, é o avanço da idade. “Se você envelhece, naturalmente o risco cardiovascular aumenta”, avisa. No caso das mulheres, a partir dos 45 anos elas perdem a proteção hormonal, o que contribui para o aumento da pressão. 

No caso das crianças, o olhar dos pais deve ser dirigido para a obesidade. As complicações são diferentes e uma ida ao pediatra pode evitar quadros graves. 

Ricardo Germano lembra ainda que um dos erros recorrentes dos hipertensos é começar a tomar remédio e, depois que apresentam melhora, a seqüência é interrompida. “Hipertensos geralmente usam medicamentos para o resto da vida, desde que sejam constantemente monitorados por seus médicos”, destaca. 

Entre os medicamentos com resultado significativo está a olmesartana medoxomila, combinada ou não à hidroclorotiazida. A olmesartana atua bloqueando os receptores de angiotensina II (substância produzida pelo organismo, responsável por aumentar a pressão sangüínea) na musculatura dos vasos sangüíneos. Geralmente, a ação do medicamento se manifesta depois de uma semana do início do tratamento.

DEFINIÇÃO
• Mais de 90% das pessoas com hipertensão arterial não apresentam causas definidas 

PRESSÃO ARTERIAL 
• O coração bombeia sangue para os demais órgãos do corpo por meio das artérias. Nesse processo, o sangue é "empurrado" contra a parede dos vasos sangüíneos e a tensão gerada nessas paredes é chamada de pressão arterial 

DEFINIÇÃO 
• Mais de 90% das pessoas com hipertensão arterial não apresentam causas definidas 

PRESSÃO ARTERIAL 
• O coração bombeia sangue para os demais órgãos do corpo por meio das artérias. Nesse processo, o sangue é "empurrado" contra a parede dos vasos sangüíneos e a tensão gerada nessas paredes é chamada de pressão arterial

DEFINIÇÃO
• Hipertensão arterial é a pressão arterial acima de 140 x 90 mmHg (milímetros de mercúrio), em adultos, medida em repouso de 15 minutos e confirmada em três vezes consecutivas. A bexiga deve estar vazia e o paciente não pode ter fumado. A pressão arterial abaixo de 120x80 é considerada normal pelas diretrizes brasileiras de saúde

CARACTERÍSTICAS 
• Por geralmente ser assintomática, muitas pessoas desconhecem que estão com pressão alta e acabam subestimando o distúrbio. Para que o sangue circule normalmente, é preciso que haja diferentes tipos de pressão. Uma que bombeia o sangue e a outra que o impulsiona.

FATORES DESENCADEANTES
• Nervosismo 
• Atividade física 
• Predisposição familiar 
• Alimentação inadequada (gordura) 
• Sedentarismo 
• Fumo 
• Álcool 
• Café 
• Sal 
• Drogas 
• Avanço da idade 
• Região abdominal avantajada (gordura) 

CONSEQÜÊNCIAS 
• Mortes por acidente vascular cerebral (AVC) 
• Infarto do miocárdio 
• Doenças renais 

TRATAMENTO 
• Sem medicamentos, levando-se em consideração a redução dos fatores desencadeantes