Home Reumatologia Apitoxina

Apitoxina

E-mail Imprimir PDF
O veneno das abelhas, já a várias décadas, tem sido muito estudado e usado para finalidades terapêuticas, principalmente na Europa e Rússia.

No Brasil, o interesse pelo veneno das abelhas e suas aplicações aumentou depois da introdução das "abelhas africanas"em 1957. Estudos revelaram não haver diferenças entre o veneno da "africana" e da "italiana". (Mello, 1970).

Efeitos alérgicos
Certa parcela da população pode, quando ferroada por abelhas, apresentar reações alérgicas ao veneno e portanto, a apitoxina. As reações não se relacionam aos efeitos naturais do veneno sobre os tecidos e as células, mas a respostas individuais peculiares do organismo. Podem consistir em apenas um incomodo, com dor localizada e inchaço.
Existem casos, porém que pode aparecer um inchaço local bem acentuado, seguido de urticária generalizada.

Em casos extremos, a reação cutânea intensa é seguida de dificuldades respiratórias e perda de consciência (choque anafilático). Deve-se procurar auxílio médico imediatamente.

A apitoxina, veneno produzido pelas abelhas, é uma mistura complexa de enzimas, peptídeos e aminoácidos. Contém, ainda, em pequenas quantidades, carboidratos e lípides.
Para se conseguir obter 1g de veneno seco é necessário coletar a apitoxina de cerca de 10.000 abelhas.

Componentes da Apitoxina
Quatro componentes são destacados na composição de apitoxina. Dois são peptídeos de baixo peso molecular:
  • Amelitina, cera de 50% do peso seco;
  • Aapamina, cerca de 3% do peso seco.
Os outros dois tem ação enzimática:
  • A hialuronidase, que decompõe o principal polissacarídeo da matriz celular epitelial, o ácido hialurônico.
  • A fosfolipase A2, que rompe a estrutura dos fosfoacilgliceróis da membrana das células.
Entre outros peptídeos já descritos, destacam-se:
  • Peptídeo MCD, cardropep, adolapina, tertiapina, secapina, peptídeo de Nelson, procarminas A e B.
Além disso, ocorrem compostos nitrogenados de outras classes como a noradrenelina, dopamina, solapiveno e catecolaminas.

Aplicações de Apitoxina:
A maior parte das aplicações e usos terapêuticos de apitoxina, muito difundidos na Rússia e Europa Ocidental, referem-se à prevenção e tratamento natural da artrite, esclerose e reumatismo com ausência ou minimização de efeitos colaterais.

Várias outras aplicações tem sido relatadas, incluindo terapias para:
Controle e permeabilidade dos vasos capilares;
  • Distúrbios otorrinolaringológicos;
  • Doenças ginecológicas;
  • Tuberculose;
  • Herpes ocular;
  • Esclerose múltipla;
  • Lipemia;
  • Estimulação das funções sexuais;
  • Infecções bacterianas e fúngicas;
  • Inibição da propagação e metástase de células tumorais.
Fonte: BREYER & CIA  - Laboratório
 

Publicidade

Facebook

Anuncie aqui

Seu anúncio aqui!
Produtos, serviços e clínicas. Anuncie na sua especialidade. Confira!

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 109 visitantes online