Home Beleza e Estética A lipo sem aspiração

A lipo sem aspiração

E-mail Imprimir PDF
Apesar dos progressos obtidos nos últimos anos - e eles são muitos -, a lipoaspiração continua a ser uma cirurgia como qualquer outra. Trata-se de um procedimento invasivo, que comporta riscos, causa dores e requer um período de recuperação. Milhares de pessoas, no entanto, são induzidas a pensar que fazer uma lipoaspiração é tão simples como ir ao cabeleireiro. Só caem na real (para logo depois voltar ao terreno da fantasia) quando sai a notícia de que um paciente morreu vitimado por uma cânula. A boa-nova é que a ciência está se movendo para tornar, de fato, a lipoaspiração um método tão invasivo quanto cortar o cabelo. 

Um passo nesse sentido é a máquina Ultrashape. Não há cânulas nem agulhas no procedimento. Apenas ondas de ultra-som, utilizadas para destruir a gordura localizada - que, depois, é eliminada gradualmente pelo organismo. "Dá para mudar o manequim em três sessões", diz a dermatologista paulista Shirlei Borelli. Uma das mais entusiasmadas com o Ultrashape é a atriz Deborah Secco. Pois é, ela não está satisfeita com a silhueta. "É para tirar aquelas coisinhas que incomodam e só você vê", diz. A "coisinha", no caso de Deborah, é uma gordurinha localizada entre os seios e as axilas. A atriz está na lista de espera do consultório da dermatologista carioca Karla Assed, que importou a máquina.
Os resultados estão longe de ser os mesmos de uma lipoaspiração clássica. Enquanto a máquina elimina em média 300 gramas de gordura por sessão, com a lipo tradicional é possível subtrair até 4 quilos de uma única vez. Pode-se, evidentemente, fazer várias sessões de Ultrashape. Mas o tratamento só pode ser repetido a intervalos de um mês - o tempo necessário para que o organismo se livre da gordura destruída pelas ondas de ultra-som. Cada sessão dura cerca de uma hora e meia e os preços variam de 1.200 a 2.000 reais. Dói no bolso, mas o corpo não sente nada.

"As pesquisas para encontrar um método não invasivo de eliminação de gordura estão completando uma década. Sem dúvida, o Ultrashape representa um bom avanço", diz o cirurgião plástico João Carlos Sampaio Góes, de São Paulo. A máquina funciona do seguinte modo: por meio de ondas sonoras de alta potência e baixa freqüência, como aquelas utilizadas para destruir pedras nos rins, ela quebra as células de gordura em pequenos pedaços. A seguir, esses fragmentos são transportados, pelo sistema linfático e pela corrente sanguínea, até o fígado, onde se transformam em colesterol e energia para o organismo. 

Os estudos clínicos realizados até agora não indicaram um aumento substantivo nos níveis de colesterol e triglicérides entre os pacientes submetidos ao Ultrashape. Isso porque a quantidade de gordura retirada pela nova técnica é pequena. "Uma vez no fígado, não há diferença entre a quantidade de gordura eliminada pelo tratamento e a que é obtida numa refeição", afirma Sampaio Góes. "Pode-se dizer que cada sessão libera uma quantidade de gordura semelhante à de uma feijoada", diz. Ainda assim o fabricante não recomenda o uso do Ultrashape a vítimas de doenças hepáticas e metabólicas e portadores de marca-passo ou próteses na área a ser tratada.

O método de derreter as células de gordura por meio de ondas sonoras começou a ser desenvolvido por médicos israelenses em 2002. Hoje, a máquina já está sendo usada em 37 países. Em agosto passado, no Congresso da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, foi apresentado um estudo americano com 137 pacientes que utilizaram o Ultrashape. Ele atestou a sua segurança e concluiu que basta uma aplicação para diminuir medidas indesejáveis em 2 centímetros, em média. Duas inovações tecnológicas permitiram a criação dessa lipo sem cortes (ela é chamada assim comercialmente). 

A primeira foi o desenvolvimento de um ultra-som mais preciso, projetado para atingir exclusivamente as células de gordura, sem queimar pele, músculos, vasos ou nervos. A segunda inovação foi um programa de computador que mapeia a área a ser trabalhada. Um sensor óptico guia o médico durante todo o tempo, indicando os alvos a ser atingidos pelo ultra-som. Não há risco, assim, de um mesmo local ser bombardeado mais de uma vez, o que poderia levar ao surgimento de irregularidades na superfície da pele.
 

Publicidade

Facebook

Clínicas de Estética

Performace Clínica de Estética
Um novo conceito de saúde, beleza, rejuvenescimento e estética. Confira!

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 127 visitantes online