Home Geriatria As doenças na Terceira Idade

As doenças na Terceira Idade

E-mail Imprimir PDF
O contato com a Medicina fica mais freqüente na terceira idade. Não é raro começarmos a nos preocupar com a saúde após os 40 anos e então passarmos a ter os primeiros contatos com o médico.

Uma situação, por exemplo, que freqüentemente nos leva ao médico pela primeira vez, é a pressão alta (hipertensão), relacionada sempre a uma série de circunstâncias muito diferentes e que necessita, por sua vez, de cuidados que vão alterar o nosso dia-a-dia.

Na terceira idade há uma tendência ao acúmulo de doenças crônicas, na sua grande maioria benignas e fáceis de serem controladas. A artrose, por exemplo, é doença que acomete com muita freqüência o idoso, e que pode se somar a outras manifestações como a pressão alta ou o diabetes.
 
O médico deve administrar a situação de doença com a participação do idoso, bem como a de seus familiares, fornecendo o máximo de informações possíveis.
 
Ao médico, cabe distinguir os sintomas próprios da idade daqueles devido à doença. Quando houver mais de um médico cuidando do paciente deve-se destacar um deles, em geral o clínico geral, para atuar como o coordenador e desta maneira propiciar uma abordagem ampla e uniforme. É muito importante que se veja a pessoa como um todo, tendo especial cuidado com as características de sua personalidade e os aspectos próprios ao seu meio.
 
Existem alguns critérios médicos que mostram diferenças entre pessoas jovens e idosas, ambas sadias. Entre estes se destacam as provas da função pulmonar, da função renal e o teste ergométrico, que avalia a função cardíaca. Algumas vezes pode ocorrer confusão nessa avaliação, sendo difícil distinguir uma alteração devida a uma doença de uma alteração própria da idade. Um importante conceito é que diante de situações de tensão ou de esforço físico, o idoso apresenta maiores probabilidades de desenvolver problemas de saúde.

Uma mesma doença pode se apresentar de maneira diferente na terceira idade quando comparada a que ocorre em um jovem. Isto não quer dizer que é mais grave no idoso, e sim que pode ser simplesmente diferente. Como exemplo disto, o hipertireoidismo no jovem apresenta um quadro muito mais rico do que aquele que o idoso apresenta, e que até pode passar desapercebido. Outro exemplo marcante é o diabetes, que na terceira idade é menos intenso e de mais fácil controle do que o do jovem.

Dr. João Roberto D. Azevedo

 

Publicidade

Facebook

Anuncie aqui

Seu anúncio aqui!
Produtos, serviços e clínicas. Anuncie na sua especialidade. Confira!

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 38 visitantes online