Home Dermatologia Fotoproteção

Fotoproteção

E-mail Imprimir PDF

Proximidade do verão e radiação solar intensa reforçam a necessidade de cuidados com a fotoproteção

O sol emite radiações magnéticas classificadas  de acordo com seu comprimento de onda e cada uma tem um efeito diferente sobre a pele, dependendo da duração e intensidade da exposição. A fotoproteção tem como objetivo prevenir os danos relacionados a essa exposição solar.

As radiações UVB incidem na epiderme e provocam queimaduras solares, os eritemas. Estas são as principais responsáveis pelas alterações celulares que predispõe ao câncer de pele e têm maior incidência no verão, especialmente entre às 10 e 16 horas. As radiações UVA, por sua vez, penetram profundamente na pele e são as responsáveis pelo fotoenvelhecimento.

Assim, é de extrema importância a utilização diária de protetores solares, que deve ser iniciada a partir dos seis meses de idade. O FDA classificou-os como “drogas que pretendem proteger a estrutura e função da pele humana contra danos causados pelo sol”.

Os filtros podem ser químicos (absorvem a luz solar) ou físicos (refletem a radiação ultravioleta) e devem ter no mínimo FPS 15 e ser de amplo espectro, ou seja, absorver ou bloquear as radiações ultravioletas A e B. Quanto mais clara e sensível for a pele, mais proteção ela necessita, com fatores que variam de 35 a 100.

É importante também respeitar o grau de oleosidade da pele. As oleosas, acnéicas ou seborréicas devem receber produtos como géis, loções ou cremes oil free. Já as peles secas necessitam de produtos mais hidratantes e umectantes.

Crianças pedem cuidados e devem usar filtros infantis, pois são preparados sem álcool, não ardem nos olhos e a fórmula própria para esta faixa etária torna o produto mais fácil de passar no corpo.
Não basta apenas o protetor certo, é importante também aplicá-lo da maneira exata. Os fotoprotetores devem ser aplicados 30 a 45 minutos antes da exposição solar e reaplicados a cada duas horas de exposição contínua, ou após transpiração excessiva e mergulhos prolongados.

Estudos mostram que nuvens claras deixam passar 90% dos raios UV, nuvens escuras 10% e a areia reflete 25% dos raios UV. Quem acha que dentro da água estará seguro, precisa saber que até a profundidade de meio metro, receberá 40% da radiação incidente na superfície. E também que, quanto maior a altitude, maior a exposição aos UV: aumentam em 4% a cada 300 metros.

Com a diminuição da camada de ozônio, que protege a Terra contra os raios ultravioletas pela emissão de poluentes, a exposição solar tem se tornado mais intensa e perigosa. Por estas razões a fotoproteção se faz tão necessária.
 
Elisabeth Correa Jacob
Médica esteticista
CRM 8999
 

 

Publicidade

Facebook

Anuncie aqui

Seu anúncio aqui!
Produtos, serviços e clínicas. Anuncie na sua especialidade. Confira!

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 152 visitantes online