Home Fisioterapia Traje espacial ajuda a reabilitar pacientes

Traje espacial ajuda a reabilitar pacientes

E-mail Imprimir PDF

Pisar na lua, experimentar a ausência de gravidade e trazer para a terra as notícias do mundo de lá. Isso é missão para astronautas. Mas, por baixo daqueles macacões e capacetes futuristas, que já emocionaram o planeta, uma roupa usada por esses conhecedores do infinito aterrissou como uma nova esperança em Minas Gerais.

Um traje usado por astronautas é a base para uma nova revolução na reabilitação de pacientes que sofreram traumas, lesões e outros problemas que comprometem sua mobilidade física, motora e neurológica.

A vestimenta, que ao ser colocada tende a erguer a postura do debilitado, estimulando músculos e a corrente sanguínea, faz parte de um novo tratamento que será implantando em Minas até o fim do ano, nas redes particular e pública de saúde. A eficácia da técnica será estudada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) no fim de dezembro e, se aprovada, poderá beneficiar milhares de pessoas.

Composta por um colete, short, joelheira e sapato, a roupa, conhecida como Traje Adeli era usada por astronautas russos para o ganho de força muscular, pois eles ficavam debilitados quando voltavam do espaço, devido a falta de gravidade. “Ela foi desenvolvida pela agência espacial russa, que levou países vizinhos a usá-la na reabilitação de pacientes.

No Brasil há uma organização não governamental (ONG), em Salvador (BA), que usa o método”, explica o fisioterapeuta Renato Loffi, que conta que um casal nos Estados Unidos começou a usar a roupa em sua filha que sofre de paralisia cerebral, mas eles aperfeiçoaram a veste, criando a Thera Suit. “É esta que estamos trazendo para Minas”, comemora Loffi.

O vice -diretor da Escola de Educação, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG, Sérgio Fonseca, diz que a universidade vai pesquisar o efeito das vestes no tratamento de crianças com paralisia cerebral e comparar os resultados com os obtidos em métodos convencionais. “A vestimenta é parte de um tratamento intensivo.

Essa técnica já é usada em outros países, mas Renato está adaptando-a para a realidade brasileira, para que as crianças do país tenham acesso a essa novidade, que é muito cara lá for a. Se ela realmente se provar efetiva, será um benefício muito grande para milhares de pessoas.”

Proprietário de uma clínica de reabilitação, o fisioterapeuta pesquisou em 2001, juntamente com sua equipe, cerca de 6 mil pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) com problemas musculares, ortopédicos, alinhamento de postura e outros problemas. “Percebemos que existiam falhas nesse tipo de tratamento, pois uma pessoa que sofreu uma lesão no começo consegue avanços, mas depois estagna. O problema dos procedimentos feitos era o tempo de atividade que a pessoa exercia.

Ia às clínicas todos os dias, mas se exercitava apenas uma hora. E o resto do tempo?”, diz, informando que, por esse motivo, além da roupa, está trazendo para Minas o método Treinamento em Reabilitação Neurológica Intensiva (Treini), no qual o paciente fica cerca de oito horas em treinamento intensivo.

Tratamento
“Vamos lançá-lo em Nova Lima, na Grande BH, um primeiro espaço onde pretendemos trabalhar com as percepções sensoriais, cognitivas e motoras. A roupa Thera Suit, que custa R$ 10 mil, é um suporte para o método”, esclarece Renato Loffi, contando que ao trazê-la para Minas, procurou a UFMG para iniciar a pesquisa. “Além de implantarmos o tratamento na clínica particular, acordamos com a Prefeitura de Ribeirão das Neves o tratamento pelo SUS na cidade, atendendo inicialmente 25 crianças por mês”, diz.

Segundo Loffi, a roupa não traz milagre, mas é uma esperança. Ela é presa com gomos elásticos, que se prendem do pé ao joelho, do short ao colete. “Ao caminhar com a veste, aumenta-se o gasto energético do paciente. Como a roupa comprime o corpo, aumenta a estimulação de receptores, melhora sua resistência e força, sua frequência cardíaca e até seu ambiente social. Com isso, o paciente começa a se torna mais funcional”, acrescenta.

Na segunda-feira, o ex-prefeito de Belo Horizonte, Maurício Campos foi o primeiro mineiro a testar a veste. Ele sofreu traumatismo craniano há oito anos e, desde então, vem fazendo tratamentos para se recuperar. “Essa roupa me fez erguer a cabeça. Estou me sentindo bem melhor”, comentou. Sua mulher, Selma Campos, sempre pesquisou tudo sobre novidades em tratamentos, e confessou ter esperança com o novo método. “A padronização dos exercícios acaba não avançando depois de um tempo, por isso é bom mudar.”

Especialistas analisam eficiência do método
Como toda novidade, a roupa espacial não é consenso e nem o método que será implantando em Minas junto com ela. Interessada em conhecer a veste, Silvana Almeida Viana, fisioterapeuta especializada em neuropediatria do Centro Mineiro de Reabilitação, ressalta que o traje pode parecer uma boa ideia e mais uma alternativa, mas o método, para qual são destinadas oito horas de treinamento intensivo, pode não funcionar com as crianças. “É preciso pensar na família.

É claro que treinar por bastante tempo trará melhora para um paciente, mas é preciso levar em conta que o treino não pode se tornar maçante. Como fará a mãe que precisa trabalhar e acompanhar seu filho nesse tratamento? E a escola dessa criança?”, questiona.

O mesmo enfatiza Ana Paula Gontijo, professora de pediatria do Departamento de Fisioterapia da UFMG e proprietária de uma clínica particular. “Não há evidências na literatura que assegurem que a roupa seja eficiente no tratamento. Também temos o projeto de implantá-la na clínica, mas é preciso antes de tudo, cautela para podermos ter certeza de suas consequências na saúde do paciente”, pondera.

 

Publicidade

Facebook

Fisioterapeutas

Dra. Juliana Torres Morais
Fisioterapeuta, especialista em disfunções da ATM e dor orofacial.

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 108 visitantes online