Home Nutrição
Nutrição

Alimentos que ajudam a dormir

E-mail Imprimir PDF

Para muitas pessoas, à hora de dormir é a mais prazerosa do dia, já outras pessoas sofrem com a perda de sono. A insônia é mais comum do que se imagina, de quatro em cada dez pessoas não dormem bem ou não conseguem ter uma noite de sono completa.

A alimentação pode prevenir e ajudar no tratamento da insônia. “Os insones devem evitar alimentos e bebidas, como pimenta, café, refrigerantes a base de cola, chocolate, chá mate, chá preto, canela, gengibre, alimentos gordurosos como carnes vermelhas e massas com excesso de molho”, afirma a nutróloga Liliane Oppermann.

A quantidade de comida ingerida ou a falta da mesma antes de dormir também pode influenciar no sono. “Uma pequena dose de álcool pode até induzir ao sono, porém o sono acaba não sendo produtivo e se a dose for maior, além de prejudicar o sono, a respiração também acaba sendo afetada”, explica a médica.

8 alimentos que ajudam a combater a insônia

Alface - A alface é um alimento reconhecido por sua propriedade calmante e indutora do sono, a melhor forma de consumi-la é no jantar com molho de iogurte natural e ervas finas.

Leia mais...
 

Alimentos funcionais

E-mail Imprimir PDF
O que são alimentos funcionais e como eles podem ajudar sua saúde
Linhaça, nozes, peixes, casca de uva, cebola, soja, amendoim, frutas frescas e hortaliças. O que essa seqüência de alimentos tem em comum? Todos eles são portadores de propriedades funcionais, ou seja, carregam diferentes substâncias bioativas que auxiliam na prevenção ou no tratamento de diversas doenças, além de colaborarem com a promoção da saúde, mantendo as funções normais do organismo. A tabela abaixo ilustra alguns exemplos de compostos presentes em certos alimentos e seus respectivos benefícios a quem os ingere:
 
Ácidos Graxos 

Ômega 3 e 6
Óleo de canola, linhaça, nozes e peixes de águas frias e com alto teor de gordura, como salmão e sardinha
Aumentam a capacidade de defesa do organismo e auxiliam no controle hormonal do estrógeno
Leia mais...
 

Reduza o colesterol

E-mail Imprimir PDF
Colesterol alto é sempre sinal de problemas. Quase sempre ele está associado à ocorrência de doenças cardiovasculares, infarto e até derrame cerebral. No entanto, por meio de uma dieta saudável, é possível reduzir o nível desse tipo de gordura na corrente sanguínea.
 
Na verdade, conforme explica Raquel Botelho, professora de nutrição da Universidade de Brasília (UNB), a alimentação, associada à prática de exercícios físicos, pode ajudar tanto a diminuir a taxa do colesterol ruim (LDL) como a aumentar a concentração do bom (HDL).
 
O primeiro é considerado nocivo por aderir às paredes das artérias e dificultar a passagem do sangue. O segundo, por outro lado, é benéfico porque realiza o movimento inverso: ajuda, sobretudo, a remover o excesso de gordura e a levá-lo para o fígado, onde este será metabolizado e eliminado.
Leia mais...
 

Alergia alimentar

E-mail Imprimir PDF
Comer amendoim, camarão, chocolate ou tomar um copo de leite são situações normais para maioria das pessoas. No entanto, para algumas delas o consumo desses itens significa ter que enfrentar sintomas desagradáveis, decorrentes de processos alérgicos.
 
Renata Pinotti, professora do curso de nutrição da Universidade Metodista de São Paulo, explica que este tipo de alergia ocorre a partir de reações adversas do sistema imunológico a determinados alimentos, ou seja, nosso organismo passa a considerá-los como agentes invasores e começa a atacá-los. “Em função disso, tais distúrbios costumam desencadear problemas gastrintestinais (vômitos em jato, diarréia com sangue ou não), cutâneos (dermatite atópica, urticárias, edema de lábio) e respiratórios (asma, choque anafilático)”, especifica
Leia mais...
 

Alimentação do idoso segundo a roda dos alimentos

E-mail Imprimir PDF
A roda dos alimentos é formada por seis grupos distintos consoante as suas características nutricionais. Todos os alimentos essenciais de cada grupo precisam de entrar na alimentação do idoso. No entanto, estes indivíduos têm muitas vezes dificuldades de mastigação devido à falta de dentes, à diminuição das secreções digestivas e à hipotonia do aparelho digestivo.

Para além disso, há que escolher alimentos que assegurem a ingestão e aproveitamento óptimo dos nutrientes necessários em condições patológicas frequentes, como perturbações digestivas e da motilidade gastro-intestinal e do metabolismo intermediário, que se acompanham de estados de hipoacidez ou anacloridria, gastrite crónica, diminuição de enzimas pancreáticas e intestinais, irrigação insuficiente por arterosclerose ou insuficiência cardíaca, atrofia da parede intestinal de forma a corrigir ou compensar os efeitos da absorção e mal nutrição secundária.  
 
Leia mais...
 

Alimentação adequada

E-mail Imprimir PDF
Na dieta adequada não existem restrições alimentares: ela é composta de alimentos variados e deve suprir todas as necessidades nutricionais do indivíduo. Deve ter aporte calórico adequado e a inclusão de todos os nutrientes em quantidades e proporções adequadas.Um dia alimentar adequado deve ser constituído de, no mínimo, três refeições (café da manhã, almoço e jantar), com ou sem lanches intermediários sendo necessário, ainda, levar em conta o horário das refeições, que deve ser minimamente padronizado.

Além do aporte calórico ser adequado às necessidades do indivíduo, as calorias devem ser proporcionalmente distribuídas entre as refeições. A adequação dos nutrientes deve ser considerada refeição por refeição; devem constar, em cada uma delas, alimentos dos grupos básicos (cereais, frutas e hortaliças, feijões, carnes e produtos lácteos), como ilustrado no Guia da Pirâmide Alimentar. O dia alimentar deve, ainda, resultar em proporções adequadas dos macronutrientes, a saber: 55-65 por cento do valor calórico total da dieta diária devem ser provenientes dos carboidratos; 10-15 por cento das proteínas e 20-30 por cento dos lipídios.
 
Leia mais...
 

O que você precisa saber sobre alimentos defumados?

E-mail Imprimir PDF
A Defumação é uma técnica milenar de conservação, bastante utilizada por alimentos e celebridades de Hollywood até os dias de hoje. Ou como você acha que a Jane Fonda chegou aos 70 anos de idade com aquele rostinho? Defumação, amigo. Defumação.

Nos antigamentes, quando ainda não haviam inventado a tomada para encaixar o freezer de neandertal, salgar, curar ou defumar servia para conservar o produto da caça por várias semanas ou até mesmo meses. Avançamos, deixamos de apedrejar mamutes (porque os mamutes acabaram), trocamos amplas cavernas por estritos apertamentos, mas o gosto pelo sabor peculiar dos alimentos defumados sobreviveu.

Mas será que o consumo de defumados pode fazer mal? Vamos fatiar esta pergunta e respondê-la pedaço a pedaço.

Inicialmente, é importante procurar saber em que condições o alimento foi preparado. A comida é capaz de transmitir mais de 200 doenças diferentes. Tenho certeza de que você não faz a menor questão de provar qualquer uma delas. A maioria dos alimentos defumados encontrados no supermercado provém de indústrias com processos padronizados e rigidamente fiscalizados. Assim, teoricamente, seriam seguros. Teoricamente.
 
Leia mais...
 



Publicidade

Facebook

Publicidade

Banner DL Gráfica

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Anuncie aqui

Seu anúncio aqui!
Produtos, serviços e clínicas. Anuncie na sua especialidade. Confira!

Enquete

Falhas de memória são comuns, mas alguns sinais mostram se isso pode ou não ser um problema. Você se preocupa quando nota que esqueceu algo?
 

Quem está Online

Nós temos 957 visitantes online