Câncer de intestino

Qui, 26 de Março de 2009 14:34
Imprimir
PREVENÇÃO 
 
Por que se preocupar com o câncer de intestino?

O câncer de intestino, embora possa ser prevenido, é um dos cânceres mais frequentes no mundo. No Brasil, ele é o 4o. câncer mais diagnosticado. Segundo estimativas do INCA (Instituto Nacional do Câncer), este tipo de câncer acometeu mais de 27 mil pessoas, em 2008, somente no Brasil. 

Quando o seu diagnostico ocorre em fases iniciais, é frequentemente curável.

As 8 Dicas para a Prevenção do Câncer de Intestino

Para ajudar a proteger você e aqueles que você ama, siga estas valiosas dicas de prevenção:

 
TRATAMENTO
 
A detecção precoce do câncer de intestino pode melhorar as chances de cura.

A cirurgia é o tratamento primário para o câncer de intestino, retirando a parte do intestino afetada. 

Após a cirurgia, a quimioterapia é utilizada para diminuir a possibilidade da volta do tumor (recidiva). Quando a doença já está espalhada pelo corpo (fígado, pulmão ou outros órgãos), novos medicamentos impedem a progressão do tumor e possibilitam aos pacientes viver por mais tempo, com qualidade de vida.

Novos Medicamentos

A medicina vem crescendo muito nos últimos anos e novos medicamentos surgiram para o tratamento do câncer de intestino. 

O uso de anticorpos monoclonais é descrito pelos oncologistas de todo o mundo como uma das maiores descobertas da ciência nos últimos trinta anos. Estes novos medicamentos atuam diretamente nas células do tumor. Os médicos explicam que eles agem como “mísseis teleguiados”, atingem apenas as células doentes (o tumor) e preservam as sadias.

Os anticorpos monoclonais são medicamentos inovadores, que inibem a formação de vasos sanguineos responsáveis pelo crescimento do tumor, a chamada angiogênese. Esta classe de medicamentos tem como alvo uma proteína natural, mediadora chave da angiogênese, interferindo assim no fornecimento de sangue, essencial para o crescimento do tumor e sua propagação pelo corpo (metástases).

Além disso, promovem a chegada mais eficaz da quimioterapia ao tumor.

Tratamento Oral

A quimioterapia oral no tratamento do câncer colorretal é uma quimioterapia administrada por meio de comprimidos para combater células doentes, destruindo e/ou controlando seu desenvolvimento. 
Um dos objetivos da quimioterapia oral é promover mais comodidade e melhorar a qualidade de vida do paciente.

A quimioterapia oral é um tratamento prático pois possibilita que os pacientes disponham de mais tempo livre para passar em casa com a família e amigos já que não precisam ficar no hospital para receber os medicamentos por via intravenosa.

Além disso, por se tratar de comprimidos, não é necessário recorrer a dispositivos como injeções ou bombas de infusão, representando, assim, um tratamento mais cômodo.

DIAGNÓSTICO
 
Principais sintomas


As pessoas com sintomas que sugiram câncer de intestino precisam de consulta médica imediata. Durante a consulta, o médico realizará ou providenciará exames que confirmarão ou descartarão a presença do tumor.

Exames

O médico poderá iniciar a investigação através dos seguintes exames:

Se o médico achar necessário, solicitará outro exame:

Detecção precoce

Detecção precoce é encontrar o câncer de intestino em uma fase bastante inicial, quando pode ser curado por meio de cirurgia. Em casos mais avançados ainda há possibilidade de cura, porém tornam-se necessárias operações maiores e a associação de quimioterapia e/ou radioterapia. Desta maneira, a chave do sucesso para o tratamento do câncer colorretal é o diagnóstico precoce.

Como descobrir o câncer de intestino logo no estágio inicial?

Todo indivíduo, a partir dos 50 anos, deve realizar os exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes, anualmente, e a intervalos maiores, de acordo com a orientação do médico, a colonoscopia para rastreamento do câncer de intestino. 

Pessoas com histórico pessoal ou familiar de câncer de intestino devem procurar orientação médica. Nestes casos, a prevenção deve ser iniciada a partir dos 40 anos de idade na maioria dos casos.
 
 
Informações gentilmente cedidas pelo portal Laços de Esperança 
 
Fontes: 
Associação Brasileira de Prevenção do Câncer de Intestino 
Instituto Nacional de Câncer
www.cancer-la.com.br 
www.quimioral.com.br